21 de jun de 2010

Um grito.

Foi apenas o que ele ouviu antes de tudo acabar.
Ele queria saber o que tinha acontecido, naqueles 5 minutos que se passaram depois do grito, os 5 minutos mais longos e silenciosos que ela já havia presenciado.
Mas de nada adiantou ficar preocupado com o que viria a seguir, seu futuro não seria muito longo. Alias, ele não existiria.
E não existiu.
Ele morreu.
Foi atingido por aquela faca, suja de sangue de outros seres. Não teve tempo de se defender, nem de gritar, nem de ver quem fora seu assassino.
A hora dele tinha chegado e não havia nada, nem ninguém que poderia mudar seu destino.
A Morte já estava à espera dele, veio alguns minutos antes para apreciar sua nova alma. Ela tinha gostado daquela alma, pois não havia a feito sofrer no momento de seu assassinato.
A alma dele se juntou a Morte e eles foram embora, um ao lado do outro, como se fossem velhos amigos.
Continuaram caminhando até derrepente, desaparecerem num piscar de olhos.
O corpo dele ficou ali, estendido e imóvel no chão, cheio de sangue ao seu redor... Ficou ali esperando alguém que fizesse o favor de enterrá-lo decentemente um dia.
Um dia que nunca chegou a existir.