14 de jan de 2011

TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO TÉDIO
TÉDIO ETERNAMENTE.

Não há nada para fazer. Não há onde ir. Não há ninguém para conversar. Não há como fugir. Não há onde se esconder. Não há nada. Nada mesmo.
Quero sair. Quero festas. Quero gritar. Quero beber. Quero algum passatempo. Quero novas pessoas. Quero novos lugares. Quero diversão. Quero coisas novas. Quero poder fazer o que quero. Quero agir, mudar, alterar, usar, reutilizar, abusar.  
Quero uma vida. Quero a MINHA vida e quero vive-la.